Se você trabalha o dia inteiro sentado, amontoado em papeladas (ou checando o Facebook) é melhor levantar para pegar um café e esticar a carcaça, meu amigo.

Um estudo publicado no periódico American Psychological Association mostra a relação entre dor nas costas, encolhimento da coluna e rotina de trabalho como um alerta: sua coluna pode encolher até 14 milímetros (equivalente a 1% do tamanho total) ao longo do dia nesta situação. E pior do que ficar mais baixo é sentir dor, convenhamos.

Cientistas da Universidade de Berna (Suíça) estudaram a relação entre funcionários que não têm tanta liberdade para fazer pausas, levantar ou se alongar durante o expediente e aqueles que têm mais liberdade de ir e vir, tomar um café, descer para fumar… essas coisas.

Ao todo, 39 funcionários de um escritório foram acompanhados durante 512 dias. Entre os fatores estressores analisados pelo estudo diariamente, os pesquisadores consideraram a rotina intelectual de trabalho, a carga de trabalho biomecânico e atividades recreativas após o expediente. As análises obtidas mostraram que os discos espinhais encolheram mais durante os dias úteis do que nos de folga. Houve também ajuste para sexo, idade, peso corporal, tabagismo, pressão trabalho biomecânico e tempo gasto em atividades físicas e de baixo esforço durante o dia.

“Quando você fica muito tempo sentados existe uma pressão maior sobre os discos, sobre a cartilagem, causando dor nas costas. Essa pressão diminui o líquido interno do disco e faz com que você diminua um pouco de tamanho durante o dia”, explica Adriano Scaff, neurocirurgião do Hospital Israelita Albert Eistein, em São Paulo. E, segundo ele, a longo prazo, essa pressão contínua pode promover a perda de nutrientes dos discos, evoluindo até mesmo para uma hérnia.

 

Um recente estudo publicado no British Medical Journal revelou que o paracetamol, diferente do que se acredita popularmente, não diminui dores nas costas e lombar. Pesquisadores da Universidade Sidney (Austrália) acompanharam 13 pessoas aleatórias com constantes reclamações de dores nas coluna e também com problemas de joelho e artrite. Os resultados obtidos não foram satisfatoriamente eficazes no combate às dores nas costas e pouco eficientes na questão da artrite. Na verdade, a maior preocupação é que o consumo de paracetamol, segundo os especialistas, sobrecarrega as funções do fígado. Essa preocupação gerou um debate sobre a obrigatoriedade de receita médica para comprar o remédio, que hoje é vendido amplamente no mundo inteiro, podendo ser comprado sem recomendação.

RECEBA CONTEÚDOS EXCLUSIVOS TODA QUARTA-FEIRA. NÃO SE PREOCUPE, TAMBÉM ODIAMOS SPAM!

Para evitar dores e o encolhimento da coluna, o primeiro passo é se conscientizar. “Como não vemos a coluna, só percebemos quando ela já está doendo. Então, é preciso lembrar de, a cada oportunidade, uma ida ao banheiro ou tomar um café, aproveitar para alongar a coluna. Braços para o alto, pequenas rotações de tronco, flexões para a frente, respirar sentindo o ar nas costelas abrindo espaço e pode tentar, encostar toda a coluna na parede”, sugere Scaff. Como são pequenos exercícios, não precisam de muitas repetições, mas de regularidade ao longo do dia. E não tenha vergonha de fazer isso. Na busca pela qualidade de vida, vale até dar uma disfarçada ou se espreguiçar no banheiro.

O médico faz uma ressalva. “Durma bem, com horas de sono que realmente proporcionem descanso e relaxamento ao corpo, em colchão e com travesseiros adequados. É durante a noite que o disco é reidratado e a coluna volta ao tamanho normal.”

Comentários

Comentários