Considere tomar uma cerveja no pós-treino. Ela pode auxiliar sua recuperação muscular muito mais do que qualquer outro suplemento. E, aqui, você entende o porquê.

Considere tomar uma cerveja pós-treino. Segundo pesquisadores do Departamento de Prevenção e Medicina do Esporte da Universidade Técnica de Munique (Alemanha), compostos antioxidantes (polifenois) presentes nos ingredientes naturais da cerveja(lúpulo e cevada) reduzem as chances de desgaste físico, como micro lesões e até inflamações do trato respiratório, desenvolvidas por atividades físicas prolongadas. O estudo avaliou os efeitos da cerveja pós-treino em 277 corredores na Maratona de Munique.

A pedido dos pesquisadores, os atletas que participaram do estudo consumiram de 1L a 1,5L de cerveja por dia, antes e depois de correr a maratona. As análises de sangue retiradas ao longo de todo o estudo mostraram que, ao ingerir cerveja sem álcool semanas antes da corrida, inflamações musculares resultantes da atividade física reduziram consideravelmente. Além disso, houve outro surpreendente resultado: o consumo da bebida por duas semanas depois da prova diminuiu a incidência de doenças respiratórias, desenvolvidas comumente em casos de exercício físico muito intenso. Os experimentos foram realizados comparando um grupo que consumia a cerveja naturalmente rica em antioxidantes com outro grupo placebo.

RECEBA CONTEÚDOS EXCLUSIVOS TODA QUARTA-FEIRA. NÃO SE PREOCUPE, TAMBÉM ODIAMOS SPAM!

/ Cerveja pós-treino

A cerveja é constituída por aproximadamente 95% de água, e, ao contrário do que muitos pensam, é aliada da hidratação. A dica é consumir de forma moderada (2 latas de 350ml/dia). Isso porque o baixo teor alcoólico (entre 3 e 8%) não é suficiente para comprometer o efeito hidratante da bebida. Ela também traz polifenois do lúpulo e da cevada, com as mesmas ações antioxidante e antiinflamatória.

Outro estudo do Departamento de Nutrição da Universidade Harvard (EUA) avaliou os efeitos do consumo moderado de cerveja nos níveis de colesterol do organismo. Os resultados mostraram que após a ingestão diária, feita durante quatro semanas, de aproximadamente 30g de etanol (equivalente a duas latas de cerveja de 350 ml) houve aumento significativo na concentração de HDL (colesterol bom).